Uma análise da adaptação cinematográfica e da obra literária “Morte e vida Severina: auto de natal Pernambucano” enquanto enunciados de acordo com os conceitos de Mikhail Bakhtin e Robert Stam

Autores

Palavras-chave:

Bakhtin, Robert Stam, Enunciado

Resumo

O poema “Morte e Vida Severina: auto de Natal Pernambucano” de João Cabral de Mello foi adaptado para o cinema pelo diretor Zelito Viana em 1977, 22 anos após a publicação literária que, por sua vez, teve outras adaptações, desde especial da Rede Globo até quadrinhos e animação. Diante dos conceitos do linguista russo Mikhail Bakhtin, bem como daqueles correlatos as teorias da adaptação, de Robert Stam, pretendemos, especificamente, investigar se as discussões que superestimam o conteúdo literário em detrimento do cinematográfico ainda possuem alguma plausibilidade. O tema será abordado em consonância com o método dialético, valer-nos-emos, também, do método histórico, comparativo e, possivelmente, monográfico.

Biografia do Autor

Claudia de Marchi, Universidade de Passo Fundo

Especialista em Direito Constitucional (FESMP-RS) e mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade de Passo Fundo (UPF).

Gerson Luís Trombetta, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2006) com estágio pós-doutoral em Filosofia na Universidade Federal de Minas Gerais (2015). Professor do Programa de Pós-Graduação em História e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo/RS.

Referências

AMORIM, Marcel Álvaro de. Da teoria intersemiótica à teoria da adaptação intercultural: estado da arte e perspectivas futuras. Itinerários, Araraquara, n. 36, p. 15-33, jan./jun. 2013. Disponível em: https://webcache. googleusercontent. com/search?q=cache:pW85K-Dx0q4J: https:// periodicos.fclar.unesp.br/ itinerarios/article/ download/5652/4716/15975+ &cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 06 nov. 2021.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfá- cio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRAIT, Beth. Estilo in BRAIT, Beth (Org.) In: Bahktin: conceitos chave. 5. ed., 6. reimpr. São Paulo: Contexto, 2020.

BULHÕES, Marcelo; BULHÕES, Ricardo Magalhães. O olhar recortado: con- siderações sobre o ponto de vista na adaptação cinematográfica de Eu rece- beria as piores notícias dos seus lindos lábios. Anuário de Literatura, Floria- nópolis, v. 20, n. 2, p. 25-41, 2015. ISSN: 2175-7917. Disponível em: https:// dialnet.unirioja.es/ descarga/articulo/5279577.pdf. Acesso em: 12 dez. 2021.

BORGES DE MENESES, Ramiro Déliü. A desconstrução em jacques derrida: o que é eo que não é pela estratégia. Univ. Philos., Bogotá, v. 30, n. 60, p. 177-204, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_ arttext&pid= S0120-53232013000100009 &lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 dez. 2021.

GLOBO. Memória Globo. Morte e vida Severina. Disponível em: https://me- moriaglobo.globo.com/entretenimento/especiais/morte-e-vida-severina/. Acesso em: 06 jun. 2021.

G1. GloboNews exibe “Morte e Vida Severina- 60 anos depois”. Globo. com. 25 out. 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2015/10/ globonews-exibe-morte-e-vida-severina-60-anos-depois. html. Acesso em: 06 jul. 2021.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Tradução André Cechinel. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução. In: ______. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1969.

JUSTINA, Priscila. Música e movimento, morte e vida Severina: traduções intersemióticas. FALE/UFMG, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/documentos/eventos/vivavoz/ musicaemovimento-site.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

MELO NETO, João Cabral de. Morte e vida severina: auto de natal pernam- bucano. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016.

STAM, Robert. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertex- tualidade. In: Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 51, p. 19-53, jul./dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.5007/ 2175-8026.2006n51p19. Disponí- vel em: https://periodi cos.ufsc.br/index.php/ desterro/article/ view/ 2175-8026.2006n51p19/9004. Acesso em: 13 dez. 2021.

VIANNA NETO, A. R. Como plagiar sem perder a originalidade. O discur- so dialógico de Bakhtin e o estatuto do bastardo - Em memória de Réjean Ducharme. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 125-149 / Eng. 132, 2018. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ index. php/bakhtiniana/article/view/34977. Acesso em: 15 dez. 2021.

Downloads

Publicado

20.08.2022

Como Citar

de Marchi, C., & Luís Trombetta, G. . (2022). Uma análise da adaptação cinematográfica e da obra literária “Morte e vida Severina: auto de natal Pernambucano” enquanto enunciados de acordo com os conceitos de Mikhail Bakhtin e Robert Stam. DISCURSIVIDADES, 11(2), e1122208. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/990

Edição

Seção

Artigos

Categorias