Dos regimes discursivos da balbúrdia universitária: governamentalidade e constituição de sujeitos na luta

Autores

Palavras-chave:

Governamentalidade. Ética. Saber-poder. Balbúrdia Universitária.

Resumo

Este trabalho está ancorado nos estudos discursivos foucaultianos e busca analisar como a movência dos sentidos produzidos em meio ao dispositivo político e midiático do acontecimento discursivo da balbúrdia universitária possibilitou ações de contracondutas, de modo a verificar como os sujeitos se constituíram eticamente na luta por práticas de liberdade e demarcaram, no movimento de resistência, deslocamentos de sentido para tal acontecimento. Nas análises, utilizamos postagens disseminadas na rede social Instagram que tratam do acontecimento da balbúrdia Universitária. A discussão mostrou que a luta de sujeitos em defesa da educação se materializa nos enunciados analisados em protestos de ruas e nas redes sociais e que estes inscrevem o papel transformador da educação na vida das pessoas.  A análise ainda mostrou que os sujeitos assumem uma atitude crítica frente ao governamento que lhes são impostos, configurando a resistência dos sujeitos às relações de saber-poder.

Biografia do Autor

Francisco Paulo da Silva, UERN

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara e pós-doutor pela Universidade de Coimbra. É professor Adjunto da Faculdade de Letra e Artes - FALA, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN. Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem - PPCL/UERN.

Rafaela Cláudia dos Santos, UERN

É mestranda pelo programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem PPCL/UERN. Tem realizado pesquisas na área da Aná- lise de Discurso de vertente francesa, além de realizar pesquisas na área do Patrimônio Cultural.

Referências

ANTUNES, Elton; VAZ, ‪Paulo Bernardo. Mídia: um aro, um halo e um elo. In: GUIMARÃES, César; FRANÇA, Vera (Orgs.). Na mídia, na rua: narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.‬‬‬‬

DELEUZE, Gilles. Que és un dispositivo? In: BALIBAR, Etinenne; DREYFUS, Hubert; DELEUZE, Gilles et al. Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1999. p. 155-163.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins, 2008.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: O governo de si e dos outros II. Tradução de Eduardo Brandão. 2. ed. São Paulo: Martins fontes, 2014a.

FOUCAULT, Michel. Do Governo dos vivos: curso no Collége de France (1979-1980). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: WNF Martins Fontes, 2014b.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização e introdução de Roberto Machado. 3.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.

FOUCAULT, Michel (1984). O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução de Antonio Carlos Maia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito. Curso dado no Collège de France, 1981-1982. Tradução de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GROS, Frédéric. “A parrhesia em Foucault”. In: GROS, Frédéric. (Org.). Foucault: a coragem da verdade. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2004.

RABINOW, Paul. DREYFUS, Humbert. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução de Vera Portocarrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

Downloads

Publicado

25.06.2022

Como Citar

Silva, F. P. da ., & Santos, R. C. dos. (2022). Dos regimes discursivos da balbúrdia universitária: governamentalidade e constituição de sujeitos na luta. DISCURSIVIDADES, 10(1), e1012215. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/1031