Universidade para todos (UPT): uma política afirmativa para o ensino democrático de línguas estrangeiras de jovens e adultos

Autores

  • Kelly Barros Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia https://orcid.org/0000-0003-3999-3292
  • Arly Alef Araujo Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Letícia Borges Goes Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Palavras-chave:

Línguas estrangeiras, Universidade, Democrático.

Resumo

O objetivo deste texto é discutir a questão do ensino das línguas estrangeiras dentro do contexto da UPT, cuja composição é de alunos(as) jovens e adultos(as) oriundos do Recôncavo Baiano e da zona rural da mesma região, cujas idades variam entre 17 e 35 e, geralmente irão prestar a seleção do ENEM do ano corrente. Os questionamentos que serão apresentados, são oriundos: das observações de aulas (realizadas pela coordenadora de monitoria); das práticas para um ensino democrático, do(a) monitor(a) (coautor(a) deste texto) e dos registros das falas dos(as) discentes. Além disso, para a construção desta narrativa, utilizou-se um questionário, cuja aplicação resultou em trinta e uma respostas e, algumas delas serão expostas no artigo, para efeito de fundamentação teórica e para que o leitor compreenda de onde falamos, de quais sujeitos estamos tratando e para que esses mesmos indivíduos tenham suas vozes reconhecidas aqui nesse espaço acadêmico.

 

Biografia do Autor

Kelly Barros Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora adjunta de língua inglesa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Desenvolvo pesquisas na área de Linguística Aplicada, dentro do escopo dos seguintes temas: educação para justiça social; democratização do ensino-aprendizado de inglês como língua franca (ILF) em espaços localizados nas margens (em abrigos, hospitais, comunidades quilombolas); língua-culturas contra hegemônicas; diálogo intercultural e políticas públicas para o acesso democrático a língua inglesa. Filiada à Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros(as) (ABPN) e à Rede de Pesquisadores Negres de Estudos da Linguagem (REPENSE). Membro dos Grupos de Pesquisa: Com a palavra, mulheres quilombolas; Poiéticas: Gênero, Corpo, Cultura e Subjetividade; Inglês como Língua Franca: crítica, atitude e identidade; Formação de professores e ensino de línguas para crianças (FELICE); Grupo de Pesquisa em Estudos de Língua Inglesa do Centro de Formação de Professores da UFRB (GPELI-UFRB) e Grupo de Estudos de Língua Inglesa do Recôncavo da Bahia (GELIRB).

Arly Alef Araujo Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Possui formação como Técnico em Agropecuária pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Guanambi. Graduando em Agronomia pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Na Embrapa Mandioca e Fruticultura trabalhou com espécies de maracujás, silvestres e comerciais, dando ênfase em tecnologia de sementes. Quando bolsista do programa PET MEC/SESu participou de visitas técnicas, organização de eventos, condução de uma área demonstrativa da cultura do mamoeiro e desenvolveu trabalhos em física de solos. Realizou mobilidade acadêmica internacional por dois semestre na Universidad Autonóma Chapingo, México, onde cursou disciplinas relacionadas ao melhoramento genético vegetal, cultivo protegido e salinidade agrícola.

Letícia Borges Goes, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Discente do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde com terminalidade em Psicologia no Centro de Ciências da Saúde da UFRB. Vincula-se aos projetos: Grupo de Pesquisa e Extensão Reinventar: Psicologia e Práticas Inclusivas, Grupo Farol: Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Surdos e Surdez e Grupo Existir: pessoas em situação de vulnerabilidades existenciais e sociais. Possui experiência em francês pela Aliança Francesa e em Libras. Atualmente, atua como professora monitora de inglês do Projeto Universidade Para Todos.

Referências

AKBARI, Ramin. Transforming lives: introducing critical pedagogy into ELT classrooms. ELT Journal, v. 62, n. 3, p. 276-283, jul. 2008.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, p. 33-45.

ALMEIDA FILHO, N. de. A Universidade Nova: textos críticos e esperançosos. Brasília: Editora UnB, Salvador: EDUFBA, 2007.

BRASIL. Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF. 1961. Disponível em:< http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=75529.htm>. Acesso em: 25 maio. 2021.

CANAGARAJAH, A. S. Reclaiming the Local in Language Policy and Practice. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 2005.

COSTA JÚNIOR, J.C. O ensino de espanhol em foco: políticas linguísticas e panorama de 12 municípios de Minas Gerais. Letras em Movimento, v. 9, n. 3, 2019.

COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. Inglês em tempos de globalização: Para além de bem e mal. Calidoscópio, v. 5, n. 1, 2007, p.5-14.

DENZIN, N.K; LINCOLN, Y. S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed: Bookman, 2006. p. 15-41.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

GIMENEZ, T. Antes de babel: inglês como língua franca. In: Encontro de Letras: Linguagem e Ensino – ELLE, 7, 2009, Londrina. Anais. Londrina: UNOPAR, 2009, p. 1-10.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artmed, 1997.

HOLLANDA, H. B. de. Intelectuais x Marginais. Revista Idiossincrasias. Disponível em http://www.portalliteral.com.br. Acessado em 20 de maio de 2021.

JORDÃO, C. A posição de professor de inglês no Brasil: hibridismo, identidade e agência. Revista. Let, & Let. Uberlândia-MG, v.26, n.2, 2010, p.427-442.

JORDÃO, C.; FOGAÇA, C. Ensino de inglês, letramento crítico e cidadania: Um triângulo amoroso bem-sucedido. Revista Línguas e Letras: estudos linguísticos, Vol. 8, n.14, 2007, p. 1-27.

MAHER, T. J. M. Ser professor sendo índio: questões de língua(gem) e identidade. Tese em Linguística Aplicada – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2002.

MELLO, A. F. de; ALMEIDA FILHO, N.; RIBEIRO, R. J. Por uma universidade socialmente relevante. Atos de Pesquisa em Educação – PPGE/ME FURB, v. 4, nº 3, p. 292-302, set./dez. 2009.

MOITA LOPES, L. P. Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOURA, G. Tio Sam chega ao Brasil:a penetração cultural americana. São Paulo: Brasiliense, 1988.

PAIVA, V. M. O. A LDB e a legislação vigente sobre o ensino e a formação de professor de língua inglesa. In: TEIXEIRA, C. M.; CUNHA, M. J. C. (Org.). Caminhos e colheitas: ensino e pesquisa na área de inglês no Brasil. Brasília: Editora da UNB, 2003. p. 53-84.

PENNYCOOK, A. A linguística aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I; CAVALCANTI, M. C. (Org.) Linguística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 12-65.

RAJAGOPALAN, K. Vencer barreiras e emergir das adversidades com êxito, sempre com o pé no chão. In: LIMA, D. C. de (Org). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011, p. 55-65.

SANTOS, B. S. A Universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Almedina; 2008.

WIDDOWSON, H. G. The ownership of English. TESOL Quarterly, v. 28, n. 2, p. 377-389, 1997.

Downloads

Publicado

05.03.2022

Como Citar

Santos, K. B., Araujo Santos, A. A. ., & Borges Goes, L. . (2022). Universidade para todos (UPT): uma política afirmativa para o ensino democrático de línguas estrangeiras de jovens e adultos. DISCURSIVIDADES, 10(1), e1012203. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/958