Que histórias e imaginários sócio-discursivos são contados e mobilizados pelo discurso da ideologia carnista?

Autores

Palavras-chave:

carnismo, veganismo, discurso, imaginários sócio-discursivos

Resumo

O discurso da ideologia carnista em geral apresenta as carnes e os alimentos derivados de animais de uma forma totalmente distanciada de suas origens, ou seja, dissociados de um animal que um dia foi vivente. Nos dias atuais o discurso vegano/vegetariano, devido à maior visibilidade conquistada, tem encontrado mais espaço para reverberar e com isso tem trazido à tona essa associação entre alimento de origem animal e morte, fato que vai de encontro ao discurso carnista. O objetivo deste artigo é descrever os imaginários sócio-discursivos mobilizados por um documento oficial sobre recomendações nutricionais, embalagens e peças publicitárias do discurso carnista. Essa análise é baseada nos conceitos de ideologia (ALTHUSSER [1970]1980, PECHEUX [1975] 1997), carnismo (JOY, 2010), discurso propagandista (CHARAUDEAU, 2010) e imaginários sócio-discursivos (CHARAUDEAU, 2017). É possível verificar que a ideologia carnista constrói imaginários que testemunham uma necessidade, normalidade e naturalidade de matar animais para o consumo humano.

Biografia do Autor

Fernanda Passos da Trindade Jorge Neres, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALVES FILHO, M. S. Homem, animal, indústria: uma análise discursiva do agronegócio brasileiro. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de São Carlos, campus São Carlos, São Carlos, SP. 2020.

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do estado. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, [1970]1980.

AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION. Position of the American Dietetic Association. Journal of the American Dietetic Association. 109: 1266-1282, 2009.

AMON, D.; MENASHE, R. Comida como narrativa de memória social. Sociedade e cultura, v.11, n.1, jan/jun, p.13-21, 2008.

ARISTÓTELES (384-322a.C.). Retórica [livro eletrônico] / Aristóteles; tradução, textos adicionais e notas Edson Bini. — São Paulo: Edipro, 2019.

BARRETO, T.F.; MATOS, F.J.S.; BACELAR, D.F.; FEITOSA, M.G.G. A ideologia carnista e o encontro entre a ética animal e o dark side das organizações. IV Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais. Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre, RS, Brasil, 19 a 21 de outubro de 2016.

BENNINGSTAG, N. C. G.; KUNST, J. R. Dissociating meat from its animal origins: a systematic literature review. Appetite, 147, p. 1-8, 2020.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Memória e Sociedade. Editora Bertrand Brasil S A. Rio de Janeiro, 1989.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primaria à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primaria à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde. Brasília : Ministério da Saúde, 2019. 265 p.: Il

BUTTNY, R.; KINEFUCHI, E. Vegans’ problem stories: Negotiating vegan identity in dealing with omnivores. Discourse & Society, 2020, p.1-19.

CELKA, M. Carne, consumo ou abolição: incompatibilidades nas relações com a carne. In: PRADO, SD., et al. orgs. Estudos socioculturais em alimentação e saúde: saberes em rede. [online]. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016. Sabor metrópole series, vol. 5, pp. 183-195.

CHARAUDEAU, P. Os estereóticos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Entrepalavras, Fortaleza, v.7, p.571-591, jan/jun, 2017.

CHARAUDEAU, P. O discurso propagandista: uma tipologia. in Machado, Ida Lucia & Mello, Renato: Análises do Discurso Hoje, vol. 3. Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Lucerna) 2010, p.57-78.

COOK, G; ANCARNO, C. “I do still love the taste”: Taste as a reason for eating non-human animals. ISLE: Interdisciplinary Studies in Literature and Environment. 2019, p.1-25.

JOY, M. Why we love dogs, eat pigs and wear cows: an introduction to carnism. San Francisco, CA: Conari Press, 2010.

LOUGHNAN, S.; HASLAM, N.; BASTIAN, B. The role of meat consumption in the denial of moral atatus and mind to meat animals. Appetite, 55, p. 156-159, 2010.

PECHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. Tradução

ROBBINS, J. Prefácio. In: JOY, M. Por que amamos cachorros, comemos porcos e vestimos vacas. Uma introdução ao carnismo. São Paulo: Cultrix, 2014.

SANTOS, A.; FONSECA, R.P. Realidades e imagens do especismo: impactos da indústria (agro)pecuária e representações publicitárias de animais não humanos sencientes. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Vol. XXIII, p. 205-222, 2012.

SINGER, P. Animal Liberation. New York: Harper Collins Publishers, 1990.

SLYWITCH, E. Guia Alimentar de Dietas Vegetarianas para Adultos. São Paulo: Sociedade Vegetariana Brasileira, 2012.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS (TBCA). Universidade de São Paulo (USP). Food Research Center (FoRC). Versão 7.1. São Paulo, 2020. [Acesso em: 10/03/2021]. Disponível em: http://www.fcf.usp.br/tbca.

VOLLI, U. Semiótica da publicidade: a criação do texto publicitário. Lisboa: Edições 70, 2003.

Downloads

Publicado

20.04.2022

Como Citar

Passos da Trindade Jorge Neres, F. (2022). Que histórias e imaginários sócio-discursivos são contados e mobilizados pelo discurso da ideologia carnista?. DISCURSIVIDADES, 10(1), e1012208. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/994